Centrais sindicais não aceitam convite de Dilma para anúncio de política industrial

As centrais sindicais foram surpreendidas hoje (29) por um convite de Fernando Pimentel – ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior – para reunião na próxima terça-feira, em Brasília, às 8h30 da manhã,
para tomarem conhecimento da nova política industrial que será anunciada duas horas e meia depois, às 11 horas, pela presidente Dilma Rousseff.

As centrais há meses estão discutindo essa questão com as entidades empresariais e alertando o Governo Federal para a necessidade de medidas duras para conter o avanço dos produtos industriais importados, o câmbio desfavorável para as exportações e a produção interna, assim como a questão do chamado “Custo Brasil”, baseado principalmente em energia cara, elevadíssima carga tributária e ausência de incentivos para estimular o emprego e a produção interna.

Produtos fabricados na Ásia, principalmente na China, com estímulos fiscais e uso de mão de obra barata, invadem nosso país, sem qualquer política de enfrentamento comercial. Nos setores do aço, dos calçados, têxteis, confecções, eletrônicos, brinquedos, entre outros, os empresários brasileiros não conseguem competir, pela falta de incentivos locais para se contrapor aos incentivos concedidos à produção principalmente pelo mercado asiático.

Só no mês passado 58.000 empregos foram perdidos na indústria brasileira, segundo o Dieese. Empresários brasileiros da área de calçados, têxteis e até da fabricação de ônibus estão transferindo suas fábricas para a Ásia, gerando empregos lá, e não aqui.

Diante deste quadro, não nos parece adequado que as Centrais Sindicais e os empresários sejam chamados agora, de surpresa, apenas para tomar conhecimento e aplaudir medidas que desconhecem.
As Centrais Sindicais deixam claro, que sempre estarão prontas para conversar com o governo e apelam à presidente Dilma que o diálogo se torne uma prática constante com as Centrais, especialmente quando se tratar de decisões que afetem o emprego e a sobrevivência da indústria nacional. Pela forma que o processo foi conduzido, anunciamos que não estaremos nessa reunião.

São Paulo, 29 de julho de 2011
Antonio Neto (presidente da CGTB)
José Calixto (presidente da NCST)
Paulo Pereira da Silva, Paulinho (presidente da Força Sindical)
Ricardo Patah (presidente da UGT)
Wagner Gomes (presidente da CTB)

 
Comments are closed.