O outro lado da sustentabilidade

Finalmente no século XXI a sustentabilidade ganha espaço em debates de política públicas, no seio da comunidade e nas mais diversas organizações sociais. Suprir as necessidades atuais do ser humano sem criar risco às novas gerações é uma obrigação. E essa responsabilidade deve ser cobrada coletiva e individualmente por cada um de nós.

Já são relevantes os avanços na área da saúde. Exemplo é o Projeto Hospitais Saudáveis, associação sem fins econômicos, dedicada a transformar o setor em um exemplo para toda a sociedade em aspectos de proteção ao meio ambiente e à saúde do trabalhador, do paciente e da população em geral. . Aliás, há uma série de iniciativas louváveis de instituições socialmente responsáveis.

São ações que ultrapassam os limites da reciclagem e economia de energia, incluindo redução do grau de toxicidade e perigos nos procedimentos em hospital. Há ainda por parte de certas instituições investimento na gestão sustentável de sistemas e serviços exemplares em termos de proteção à saúde e ao meio ambiente.

Temos também programas de educação e conscientização da comunidade hospitalar e da sociedade. Um bastante interessante culminou na criação um borboletário em Muriaé, zona da Mata Mineira. O objetivo é contribuir para o aumento da biodiversidade, sensibilizando ainda alunos e moradores para a questão da preservação ambiental.

Falamos de avanços inegáveis e de diversas matizes, como a retirada de termômetros de mercúrio das unidades hospitalares. Tais termômetros são a principal fonte urbana dessa substância, uma das mais danosas à saúde e ao meio ambiente. Nada justifica seu uso, já que podem ser facilmente substituídos por produtos digitais bem acessíveis.

É importante frisar, porém, que muito precisamos caminhar para falar de sustentabilidade com autoridade. Em termos de Brasil, o que temos de bagagem acumulada não chega a ser uma gota em meio ao oceano. O mesmo vale para nosso meio profissional, pois os médicos podem e devem se envolver com mais profundidade em debates e ações para a preservação do planeta.

Sempre é bom registrar que a sustentabilidade na saúde não se restringe ao universo que vivenciamos diariamente em clínicas, consultórios, hospitais, universidades. O ser humano deve ser visto de forma integral, em todas as suas necessidades no hoje e no amanhã.

O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), da Organização das Nações Unidas (ONU), leva em consideração determinantes sociais como renda, educação e outras condições socioeconômicas, culturais e ambientais, a produção de alimentos e o acesso à alimentação, ambiente de trabalho, condições de vida, desemprego, saneamento básico, serviços de saúde, habitação, redes sociais e comunitárias e estilo de vida. O conceito é que uma boa qualidade de vida influencia positivamente a saúde.

Dessa forma, temos o dever de participar das discussões que envolvem cada uma dessas determinantes, pois, só com ações globais, teremos de fato políticas públicas sustentáveis, alicerce para a construção de um sistema de saúde verde e de uma sociedade melhor.

 

João Ladislau Rosa, presidente do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo

Load More Related Articles
Load More By edsolza
Load More In Saúde
Comments are closed.