Talibã e Al-Qaeda prometem vingança por morte de Bin Laden

Militantes da Al-Qaeda e do Talibã prometeram vingança contra as forças paquistanesas e americanas pela morte de Osama bin Laden no domingo.

Bin Laden foi morto com um tiro na cabeça após resistir à prisão em uma operação conduzida por uma unidade de elite do Exército americano na cidade de Abbottabad, a 100 km de Islamabad, no Paquistão.

 
Representantes do Talibã ouvidos pela BBC admitiram que a morte de Bin Laden, visto como um herói pela milícia islâmica, abalou os militantes – mas eles negam que sua morte tenha afetado a sua “guerra santa” no Afeganistão.
 
Um porta-voz do Talibã para a região do Waziristão, no Paquistão, disse à BBC que militantes realizarão ataques contra forças de segurança paquistanesas devido ao seu envolvimento na morte de Bin Laden.
 
Além disso, um porta-voz da rede Haqqani – grupo insurgente que opera no Afeganistão e no Paquistão e é aliado do Talibã – enalteceu o “martírio” de Bin Laden e afirmou que seus militantes redobrarão seus esforços na luta contra os Estados Unidos no Afeganistão.
 
O correspondente da BBC em Islamabad, Shoaib Hasan, disse que autoridades do setor de segurança no Paquistão estão se preparando para ataques de militantes em represália contra a morte de Bin Laden. Os Estados Unidos fecharam ao público suas embaixadas e consulados no Paquistão.
 
“Como um pai”
A BBC conseguiu contato com militantes de várias partes do Paquistão, entre eles o jovem Mohammad Younus, que é membro do Talibã e lutou por quatro anos nas regiões de Helmand e Kandahar, no Afeganistão.

Falando à BBC no sul do Paquistão, horas depois da confirmação da morte de Bin Laden, o militante disse que “Osama Bin Laden era como meu pai”.
 
Para o combatente do Talibã, a morte do líder da Al-Qaeda não afetará a luta de seu grupo, pois ela “não depende de um homem”.
 
Younus acrescentou que ele e seus companheiros vão continuar na luta contra os Estados Unidos e que vão se vingar pela morte de Bin Laden, em ações contra as forças americanas nos Estados Unidos, Afeganistão e Paquistão.

Fonte: BBC Brasil

 
Comments are closed.